terça-feira, 9 de agosto de 2016

O Cozinheiro do Rei D. João VI

António de Vale das Rosas é o protagonista desta história. De origens modestas chegou do Norte para trabalhar como aprendiz nas cozinhas do Convento de Mafra. Com um inegável talento em combinar sabores e ingredientes, depressa se salientou e das suas mãos começaram a sair deliciosos pratos que, inevitavelmente, conquistaram a "barriga" de D. João VI, que, dizem, adorava tanto a comida que "guardava galinhas coradas nos bolsos da sua jaqueta para satisfazer a sua fome insaciável enquanto recebia ministros em audiência" (pág.36). 

Portugal no século XIX, as invasões francesas, a fuga da família real para o Brasil, o assassinato do Rei e a inevitável luta pela sucessão ao trono, são o cenário para este bem confecionado romance polvilhado com deliciosas receitas, uma mão cheia de intrigas palacianas e uma traição fatal.


E é caso para dizer que desta vez a culpa não foi do mordomo mas sim do cozinheiro!



Fica a sugestão para uma empolgante viagem de paladares pela corte do Rei Dom João VI, o rei que não ficou lá muito bem na fotografia mas que não deixa nenhum historiador indiferente.





2 comentários:

  1. Uma viagem pela cozinha deste rei pela "mão" de um chef dos tempos de hoje ! Curioso, de escrita fácil, gostei quando o li. (Parece-me que foi a tua mãe que me emprestou).

    ResponderEliminar
  2. Interessante, pronto para entrar na minha lista, he he...

    Bia
    www.biaviagemambiental.blogspot.com

    ResponderEliminar